O uso de dados para inteligência industrial

Na indústria, a cultura pela busca do aumento de produção e redução de custos é bem forte e, apesar de ter um grande potencial, o uso dos dados de produção são pouco explorados para alcançar esses objetivos. É comum observar, principalmente em grandes industrias, o uso de ferramentas já bem conhecidas, como os Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados (SCADA) e os Sistemas integrado de gestão empresarial (ERP’s). São tecnologias que proporcionam bom controle sobre o processo operacional de uma indústria porém demandam que equipes estejam in loco e dedicadas para manter o seu correto funcionamento, possuem caras exigências para armazenamento de dados e limitação para análises inteligentes de dados.

Os dados que trafegam por essas ferramentas ainda podem ser melhorado com o uso de tecnologias mais atuais como cloud computing, big data, inteligência artificial e etc. Estas novas tecnologias estão dentro do que chamamos de indústria 4.0 e visam um melhor aproveitamento no uso dos dados na indústria.

Com esse objetivo, imagine um sistema, acessível a qualquer colaborador, que possibilite diferentes formas de visualização, classificação e enriquecimento de dados sobre o funcionamento de equipamentos, sensores e dispositivos do processo de produção. Imaginou? Agora veja as possibilidades do uso dessa ferramenta no setor de:

  1. Manutenção: Poder identificar a necessidade de uma intervenção em uma máquina devido a um comportamento similar ao do passado que resultou em um desligamento inesperado.

  2. Operações: Poder entender os gargalos de produção e trabalhar de forma mais eficiente para o aumento da produção.

  3. Utilidades: Poder prever gastos desnecessários de água ou energia e tomar ações para evitar maior eficiência.

  4. Qualidade: Poder rastrear os parâmetros de operação que reproduziram os melhores lotes e torná-los padrão operacional.

Enfim, são muitas as possibilidades que uma ferramenta que permita integração e análise inteligente de dados pode prover a uma operação industrial.

Estes exemplos mostram como uma ferramenta que promove a cultura de inteligência industrial pode aprimorar a gestão de uma indústria. Mas como é a implementação de uma ferramenta como essa? E, antes disso, quais as características das indústrias no Brasil que possibilitam a implementação de tecnologias para uma maior inteligência industrial?.

De forma macro, é possível identificar três perfis estruturais de indústrias:

  • Perfil 1: as que não possuem sensores e equipamentos monitoráveis em seu processo de produção;
  • Perfil 2: as que possuem sensores e equipamentos monitoráveis, utilizando PLC’s, inversores, sensores com saídas de sinais e etc, mas não coletam dados;
  • Perfil 3: as que possuem os equipamentos adequados para medição, coletam os dados e utilizam Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados (SCADA).
  • As industrias do perfil 1 necessitam primeiro instrumentar sua produção para assim poder começar a coletar os dados. Esse processo pode parecer oneroso, mas atualmente existem empresas que fornecem e instalam equipamentos de baixo custo para instrumentação industrial. Normalmente é necessário a instalação de sensores e PLC’s para os sistemas que exigem maior controle do processo. Esses instrumentos devem possuir porta de comunicação externa para que os dados do processo que ali trafegarem possam ser coletados. Com essa infraestrutura, a indústria passa a ser de perfil 2 e o uso de dispositivos IoT podem facilmente ser o meio para captação e envio dos dados para softwares tipo SCADA, a fim de se tornarem empresas do perfil 3.

    Seja considerando o avanço das indústrias de perfil 1 e 2 para o perfil 3, ou industriais já inicialmente no perfil 3, o processo de implementação de ferramentas para maior inteligência industrial é facilitada. Os SCADA utilizam servidores locais para processar e disponibilizar os dados aos operadores e engenheiros. Assim, o processo de implementação dessas novas ferramentas para o tratamento de dados consiste na implementação de uma coleta de dados, que pode ser via uma Application Programming Interface (API’s) nesses servidores. Essa comunicação irá fazer o envio, de forma segura, dos dados dos servidores diretamente para a ferramenta de análise de dados.

    Agora que já foi explicada as etapas das indústrias, como funcionam as ferramentas para análise inteligente de dados?

    Normalmente estas ferramentas disponibilizam funcionalidades para que os dados sejam melhor aproveitados a fim de que melhores decisões possam ser tomadas. O grande objetivo por traz destas ferramentas é aumentar produção, reduzir custos a partir de uma melhor eficiência de trabalho das equipes de gestão da fábrica.

    Considerando isso, a hazel desenvolveu uma plataforma em nuvem para inteligência industrial baseada em análise de dados. É uma plataforma com infraestrutura em cloud-computing que recebe dados diretamente de maquinas, dispositivos IoT e servidores locais. A plataforma é acessada através de qualquer dispositivo com acesso a internet utilizando o login e senha pessoal do usuário. A plataforma é capaz de receber, armazenar, organizar e analisar muitos dados. Esses dados podem ser acompanhados através de dashboards personalizados que utilizam diferentes formas de visualização gráfica e podem ser configuradas pelos usuários. Além disso, a plataforma permite o enriquecimento dos dados via cálculos de indicadores operacionais para melhor entendimento da performance das máquinas e processos.

    Para saber mais sobre a plataforma de inteligência industrial da hazel, entre em contato conosco. Teremos o prazer em ajudar.

    Leonardo Ribeiro

    COO

    saiba mais

    Não perca mais tempo, você precisa de inteligência baseada em dados